sexta-feira, 26 de março de 2010

Porque não gosto das entrevistas do Jô

Pessoas são mesmo contraditórias. Assisto/ouço o programa do Jô com bastante frequencia, apesar das várias críticas. Se o entrevistado é humilde, de vez em quando rola uma humilhação. Se o assunto é interessante, quase não se fala dele (ou pelo menos não de forma direta).Além é claro do tamanho do ego do Jô, proporcional ao tamanho da barriga dele. Essa semana ele cometeu o mesmo erro dois dias seguidos: o de se concentrar em curiosidades relacionadas aos livros que estariam sendo divulgados, ao invés de se centrar nos livros. Na entrevista que foi ao ar ontem, a do jornalista Reinaldo José Lopes, foram gastos dois blocos com... curiosidades relacionadas ao assunto do livro. Sinopse? Pra que? Mas internet tá aí pra isso mesmo: preencher lacunas de informações básicas, daí foi só dar uma busca na Saraiva pra ver o que eu queria: informações sobre os livros (mal) divulgados. Jô, entrevistas mais informativas, pleaaaase.

Livro: Além de Darwin
Editora: Globo Editora
"Além de Darwin – Evolução: o que sabemos sobre a história e o destino da vida", de Reinaldo José Lopes, é uma oportuna contribuição ao grande debate internacional que tem no centro a teoria da evolução. Pois além de toda a abrangência indicada no subtítulo, sua outra grande qualidade está na clareza e na agilidade de seu estilo, próximo ao das grandes reportagens (o autor é jornalista de ciência).
Dois grandes motivos mantêm a teoria da evolução em evidência para além dos laboratórios e congressos científicos. Primeiro, a biologia ocupou o papel que a física teve no século passado: ela é a ciência do século XXI, a que concentra os resultados mais espetaculares, os maiores avanços e as repercussões mais amplas, além de se espalhar por vários aspectos da cultura e da sociedade contemporâneas. Da medicina à engenharia genética, dos alimentos modificados ao meio ambiente, das pesquisas com células-tronco à história da vida, tudo passa por ela. Segundo, a teoria da evolução está no centro do mais acirrado debate político-ideológico contemporâneo, o que confronta a própria evolução ao criacionismo (a crença na criação divina da vida), ou seja, ao discurso religioso. Além disso, a evolução é um daqueles fenômenos culturais tão familiares quanto mal compreendidos. Desde o início, com a publicação da obra de Darwin, vários ruídos de informação se intrometeram em sua recepção: a descendência do homem a partir do macaco (quando, na verdade, trata-se de um ancestral comum), a sobrevivência do mais apto ou do mais forte (quando, na verdade, trata-se da sobrevivência dos mais adaptáveis de cada geração de cada espécie às mudanças em seu meio ambiente), a condição de “mera teoria” do conceito de evolução (quando, na verdade, em ciência teoria significa uma hipótese já provada). Por fim, o darwinismo não para, ele próprio, de evoluir: o exemplo mais dramático foi seu encontro com a genética (desconhecida no tempo de Darwin).
Tudo, portanto, conspira para tornar livros como Além de Darwin simplesmente incontornáveis para quem queira compreender seu próprio mundo. Na síntese do autor, “Nenhum aspecto da vida na Terra, das hélices moleculares das bactérias às emoções humanas, tem sentido sem a força iluminadora da teoria da evolução. Faz um século e meio que a biologia evolutiva foi fundada por Charles Robert Darwin [...]. Desde então, o alicerce lançado por ele deu lugar a um edifício imponente, que confirmou a essência do que o naturalista britânico propunha e, ao mesmo tempo, ampliou de forma vertiginosa o conhecimento que temos sobre a origem e a natureza dos seres vivos. O livro que você tem em mãos é um passeio pela versão mais atualizada e empolgante desse legado”.
Livro: Criação Imperfeita
Editora: Record
Gleiser, um dos grandes cientistas da atualidade, desmonta o maior mito da ciência e da filosofia ocidentais: o de que a Natureza é regida pela perfeição. O físico brasileiro radicado nos EUA também contesta o discurso dos ateístas radicais, como Richard Dawkins, mostrando que a ciência não prova a inexistência de Deus.
E ah, a Saraiva disponibiliza um trecho desse livrohttp://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2872552/criacao-imperfeita/?ID=BD1977667DA031A0C1F130254, deu vontade de comprar =)

3 comentários:

marcelo disse...

verdade, toda hora o jô quer ficar só perguntando curiosidades aleatórias (e mostrando que ele conhece, ou ACHA que conhece).
eu vi essa de ontem.

FILOS & FALUS disse...

É isso aí, Lindoza!E é bom a gente falar!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

O Jô é muito inteligente, tem muita cultura e conhecimento.
Mas acho tão estranho ele já na sétima década de vida ainda ter q mostrar pra todo mundo que é um menino sabido. E coitado do entrevistado, que sempre "sabe menos" que o gordo...